Agora nem nómada, nem emigrante.


segunda-feira, junho 13, 2005

Tempo para mais

Consideramos certas coisas tudo na nossa vida, porque as conquistámos com suor, mas, às vezes, não precisamos de conquistar alguma coisa para lhe dar o devido valor. Porque nada cai do céu e tudo se transforma, mais cedo ou mais tarde, nalguma outra coisa que não estávamos à espera, mas que é uma variante da primeira, por isso, podemo-la ver sempre na segunda!
Seguir em frente e deixar de não ter tempo para o que gostamos é mais difícil do que possa parecer! É preciso recorrer às armas que batam a preguiça de transformar. Estar sempre a trabalhar pode ser uma forma de preguiça...
De quê?! De ter coragem de viver a vida real e de ter tempo para a verdadeira introspecção que dirá a verdade que tanto soubemos, mas só com o devido tempo conseguimos admitir.
É preciso escrever, gritar, mexer, correr, mas também parar, pensar, falar sempre e nunca deixar de ouvir!!!
Um tributo aos lutadores por uma vida melhor através do trabalho, mas que nunca se esquecem da vida pessoal - "os amigos"...
Ah! Peguem em espadas e archotes se precisarem de lutar pelo lugarzinho na vida de alguém, pois tudo é e sempre foi legítimo quando se fala em cativar!

A minha inspiração vem de alguém que quer sorrir e precisa de tempo...

1 comentário:

Piolha electrica disse...

Tempo... Palavra tão pequena, e de uma magia tão poderosa: pode parecer que nunca mais tem fim, mas quando termina não se pode voltar atrás.

Porta-te bem "agora" sem te lembrares do "ontem", que já passou, e sem te preocupares com o "amanhã", que não sabes se chegará para ti.
(Josemaría Escrivá)
:)*