Agora nem nómada, nem emigrante.


quarta-feira, fevereiro 24, 2010

Velhices

Fotografia de Eli


Envelheço devagarinho. Orgulhosa de cada cicatriz que contar histórias que leio, escrevitas em livros de memória inexistentes, com tintas que deslumbram qualquer apaixondo. Reparar que uma mãe é agora uma avó com os seus cabelos grisalhos imponentes. Talvez não saibam o seu verdadeiro valor. Em dias de tempestade, escondemo-nos atrás de uma humildade ensinada por sábios. Completo mais um ano. Sei que há um ciclo que se renova. Ainda que a vida me recolha, abraçando-me na acalmia... Gosto quando o meu coração bate descompassadamente.

Eli

:)
Participação no desafio da Fábrica de Letras
Conta e Encanta (texto)
Deixa-me Ver e Ouvir (Imagem)
Mês: Fevereiro
Tema: Velhice

19 comentários:

Anónimo disse...

Há momentos de acalmia que também fazem bater descompassadamente o coração.
Huuum...
Estiveste ou ainda vais estar de parabéns?
:))

em_segredo

Richy disse...

Devo contrariar-te e dizer que as memórias existem sempre no coração de alguém, mesmo quando as coisas ou pessoas que recordamos já não estão conosco. Eu próprio já tenho bastantes cabelos grisalhos, mas ainda não sou avô...
:)
Admiro muito os anciãos, com toda a sua experiência e com tudo o que têm para contar e ensinar.
Os ciclos renovam-se graciosamente, continuamente. Nisso não há nada a fazer nem forma de contornar. Apenas podemos salientar a graciosidade dos mesmos.
Que o teu coração continue a bater descompassadamente, com muita graciosidade!

Abraço.

PoesiaMGD disse...

Um texto de qualidade!
Abraço

http://www.escritartes.com/forum/index.php?referredby=3

Goretidias

Fragmentos Betty Martins disse...

._________querida Eli






muita ternura - saber - neste texto que muito nos diz

hoje somos filhos
amanhã pais
depois-de-amanhã avós


______________...








beijO______ternO

Eli disse...

em_segredo

Vou estar. É só estares atento ao dia em que muda a idade no perfil!

(lol)

Estava a brincar. Tens ali o meu mail. Sugestão requerida. Pergunta ultrapassada.

HEHE

:)

Eli disse...

Richy

Sabes, cada vez consigo admirar mais a sabedoria dos mais velhos, daqueles que sobreviveram a tanto com tão pouco aparente.

Tu não me contrarias. Aquilo ali, no escuro são palavras mal articuladas e escritas ali mesmo.

Obrigada pela opinião!

:)

Eli disse...

PoesiaMGD

Thank's!

:)

Eli disse...

Fragmentos Betty Martins

Agora reparo que poderia ter tido muito mais ternura. Sobre aquela parte de ser avó, sinceramente não posso nem devo olhar isso como prioridade...

:)

Fatucha disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fatucha disse...

Eli, por momentos pensei que tinhas feito anos...mas mesmo assim, tens um dom de escrever e fazes mto bom uso dele! beijinhos

Por entre o luar disse...

Gostei...
Tudo não passa de uma sucessão de dias, que se vão revelando no rosto*

Beijinho*

Olga disse...

Eli,
Gostei do teu texto, Parabéns.

Eli disse...

Fatucha

Está quase... dom é conseguir partilharmo-nos naturalmente e, nisso, tu ganhas-me a milhas de distância.

:)

Eli disse...

Por entre o luar

Sim... e para quê apagar isso, quando nos dá cada vez mais sabedoria...?

:)

Eli disse...

Olga

Obrigada.

:)

MZ disse...

Se o coração bate descompassadamente e se gosta, é porque se é uma apaixonada(o) pela vida... que importa os cabelos brancos, ou se já se é avó, que importa se se passa mais um ano...

Gostei muito da tua reflexão!
deixo um sorriso
:)

Eli disse...

MZ

O que realmente importa é acordar todos os dias com alguma coisa para fazer que "dignifique" a nossa existência...

:)

Brown Eyes disse...

Eli ando atrasada mas, vale mais tarde que nunca. Esta tua reflexão da velhice dá-lhe valor o valor que ela tem. A velhice tem muita beleza basta saber vê-la. Beijinhos

Eli disse...

Brown Eyes

Obrigada. Nem sempre consigo ver esse lado realista e tão presente...

:)