Agora nem nómada, nem emigrante.


quinta-feira, maio 19, 2011

Ela



Ela escondia-se. Malvada. Fazia previsões. Escusada. Assim, sem saber como reagir, como agir, como iluminar... continuou, errante nos seus passos. Apenas uma menina, esta menina... sendo uma crescida escondida nas palavras, uma mulher lutadora forjando a fragilidade. Parou. Por momentos, soube o que não queria. Parou outra vez. Imaginou o filme dos dias e ficou-se. Em cada esquina, um amigo atrás de comunicações pessoais, sociais... deleitando-se com a paz de um momento regado de amor.

Eli

:)

5 comentários:

mfc disse...

Então não te escondas e mosta-te ao amor!

Manuel Luis disse...

Sempre se encontra alguém numa qualquer esquina de surpresa.
Um beijo... Mais um beijo... Outro beijo na próxima esquina.

Brown Eyes disse...

Eli quantas vezes nos apetece esconder? Quantas vezes nos apetece abandonar tudo, pôr a mochila às costas e partir? Muitas. Ultimamente a mim apetecia-me não ter ninguém que me prendesse neste país e partir, partir à descoberta. Há alturas na nossa vida que temos que ser responsáveis mas terá que ser sempre? O futuro prende-nos demais, tanto que às vezes perdemos tanta coisa porque não arriscamos. Vim dar-te um beijinho.

Eli disse...

mfc

Achas que me escondo?!

hmmm



Manuel Luis

Sempre?! Sempre não!

lol


Brown Eyes

Penso que as perguntas que fizeste eram retóricas, mas deves conhecer a frase "somos responsáveis pelos que cativamos". E eu penso muito, aliás, voltei a pensar demais!

:S

Sus disse...

Há momentos que valem tanto...

Já tinha saudades de andar por aqui!

Beijos bom fds