Agora nem nómada, nem emigrante.


segunda-feira, junho 25, 2012

O amor acontece #9 (por Bagaço Amarelo)

«Alarme


Lembro-me perfeitamente da primeira vez que disse a uma mulher que a Amava. Não me lembro, no entanto, da primeira vez que o pensei. É que pensei muitas vezes na palavra Amor antes de a dizer pela primeira vez. Isso deve-se ao facto de, apesar de ser muito raro apaixonar-me verdadeiramente, ser muito fácil sentir-me apaixonado todos os dias por uma mulher qualquer. É uma sensação que desaparece tão depressa como aparece, mas que nessa sua vida efémera é bastante intensa.
Também é verdade que isto me acontece muito mais facilmente nas fases da minha vida em que estou só, sem namorada. É como se o meu coração fosse um apartamento pequenino onde só cabe uma mulher de cada vez e, por isso, quando está ocupado é-me muito mais difícil sentir algo forte por alguém. Quando estou só, sou capaz de ter essa sensação de alarme no metro, no autocarro, num bar qualquer ou até na fila da repartição das finanças.
Foi precisamente no autocarro que me apaixonei pela Mónica, numa viagem em que ela adormeceu ao meu lado e deixou a cabeça cair sobre o meu ombro. É-me difícil explicar, mas quando isso aconteceu eu ainda nem sequer a tinha visto bem. Ia ao lado dela a pensar noutra coisa qualquer, mas quando ela se encostou a mim o meu coração acelerou imediatamente. Apaixonei-me, portanto, pelo toque e fui o resto da viagem petrificado, a tentar imaginar como seriam a face e a voz dela. Os cabelos, esses, eu via-os e eram longos e negros. Para não a acordar, e também para aproveitar esse encosto o mais tempo possível, deixei-me ir muito para além daquela que seria a minha saída. Regressei a casa mais tarde, fazendo a pé cerca de três quilómetros.
Foram três quilómetros feitos muito calmamente, em passos curtos e incertos, a pensar nesse novo Amor da minha vida. Era uma sensação boa, porque eu sabia que era um Amor que não passava dum desses alarmes que vão e vêm com o vento. Afinal de contas, tinha-me apaixonado apenas porque ela adormecera no meu ombro, sem lhe ver bem a cara ou ouvi-la a falar. Muito provavelmente nem me lembraria dela no dia seguinte.
O problema é mesmo esse: o dia seguinte. Acordei e ela foi a primeira coisa que me veio à cabeça. Veio e, diga-se de passagem, nunca mais saiu. De tal forma que nos dias seguintes apanhei o mesmo autocarro várias vezes por dia só para ver se me cruzava com ela, o que veio a acontecer cerca de uma semana depois. Vi-a exactamente no mesmo banco e sentei-me à frente dela, como quem não quer a coisa, e acho que ela me reconheceu. Pelo menos riu-se timidamente. Nessa viagem, em que finalmente a vi de frente, confirmou-se a minha paixão. O meu coração tornou a acelerar terrivelmente e eu fiquei incapaz de reagir.
Durante muito tempo aquelas viagens de autocarro repetiram-se. Cheguei a fazer um mapa com as horas a que ela apanhava o autocarro e já não falhava uma única viagem em que ela estivesse. Era sempre o mesmo: eu à frente dela como se fosse um homem estátua e ela à minha frente como se não fosse nada. Às vezes ia séria, outras vezes sorria um pouco. Suponho que tinha a ver com as suas variações de humor e da forma como o dia lhe tinha corrido. Perdi a conta às viagens que fiz com ela assim, nesse meu silêncio sofredor.
Nunca falámos um com o outro até ao dia em que ela, uns minutos antes de sair, me disse que era a última vez que andava naquele autocarro. Ia viver para Lisboa, onde tinha arranjado um emprego melhor. Eu corei e encolhi-me perante as evidências. Tchau!, disse ela por fim. Fiquei a vê-la pela trémula e enorme janela do veículo, lá fora, virada para mim e a sorrir-me enquanto dizia adeus com a mão. Embaciei o vidro com o meu bafo e escrevi "Amo-te" ao contrário, para ela conseguir ler. Foi essa a primeira vez que o fiz.»

Bagaço Amarelo



Confesso que me identifico mesmo muito com a escrita... agradeço muito a partilha.

Eli :)

Post agendado

6 comentários:

Ciara disse...

Por vezes perdemos tempo com coisas insignificantes para ter-mos uns minutos de felicidade, em vez de dar-mos um passo maior e tentar prolonga-la.. Por vezes arrependemo-nos pq deviamos te-lo feito, ter dado aquele passo gigante que nunca se sabe onde nos levaria, mas por vezes é bom usufruir apenas dos pequenos momentos e aproveitarmos, porque o que é bom acaba depressa..
Sinceramente há momentos em que não sei se vale a pena dar um passo até à lua ou se mais vale ficar a observa-la de longe..

mfc disse...

Um belíssimo texto e ainda por cima tenho o gosto de conhecer pessoalmente o Autor!

um abraço aos dois.

Bagaço Amarelo disse...

obrigado eli. :)

Eli disse...

Ciara

A tua relexão deixa-me um pouco assim sem saber muito bem o que responder, por ser mesmo uma reflexão e ficamos a pensar...

:)

Eli disse...

mfc

Acho que isso deve ter sido para "meteres nojo"! lol

Concordo contigo e, um dia, ainda nos vamos conhecer todos num evento aí mais para o Norte.

:)

Eli disse...

Bagaço Amarelo

Olha, olha... obrigada eu.

É um prazer contar com um texto teu de leitura tão prazerosa. E... praticamente todos os teus textos se inserem nesta temática.

:)

P.S. O número de visitas no meu blogue triplicou e já recebi mais alguns textos depois do link que publicaste no teu blogue.

:)