Agora nem nómada, nem emigrante.


domingo, setembro 01, 2013

Brevemente


E eis que um dia, uma noite para ser mais específica, se acende uma luz ao fundo do túnel. Aceitei pisar a minha estrada, o meu caminho sem parar sempre receando que não conseguisse mais encontrar um bem tão precioso que me dignifique. Não estava a pensar desmistificar, mas sendo este blogue tão lamechas que só fale de amor e outras porcarias do género, hoje falo de trabalho. Poucas vezes pude colher o que plantei por aí. Aliás, neste campo nunca ou quase nunca me valeu mais do que o próprio momento, que acabava num contrato, sempre que conluía uma substituição ou que terminava um ano letivo, eu ficava sempre na mesma dúvida: será que conseguirei obter novamente colocação?! Há um ano que estou desempregada. Há um ano que não sou colocada. Não me queixo assim tanto, porque passei este ano com um part-time em que desenvolvia atividades, as quais gostei muito, mas não passaram de umas míseras horas por semana que praticamente não me acordaram. Curiosamente, ironia do destino, hoje colho outros frutos. Um amigo lembrou-se de mim para fazer o mesmo trabalho que ele. Não tem nada a ver com a minha área, mas vendo bem a quantidade de CV (inúmeros que nem me atrevo a contá-los e apenas escrevo já a sigla, uma vez que é mais rápido)... que enviei por esse mundo fora candidatando-me às mais variadas ofertas de emprego. Enfim, hoje parece-me que finalmente posso ver uma luz e que esta estrada da incerteza me poderá dar umas tréguas amigáveis. Ele fez-me prometer que não desisto da minha vocação. No entanto, se posso ter outras capacidades, quem sabe se não consigo ter outra vocação também. Estou pronta para seguir em frente, mas receio que a capital me engula! 

Eli

:)

4 comentários:

marina disse...

Exactamente como eu, amanhã entro numa nova vida totalmente diferente daquilo que fiz durante 22 anos...mas eu quero, e sei lá se o meu futuro não passa por lá....
beijinho e boa sorte para nós!!!

Graça Pereira disse...

Minha Querida
Há um ditado que diz: quem muda, Deus ajuda!
Trabalhei 15 anos num serviço com o qual me identificava e me sentia feliz.
Depois, fui colocada noutro, onde subi até ao topo da carreira. E pelo caminho descobri que tinha qualidades para diversas coisas e constatei que os estudos me tinham preparado bem para a vida. A crise só toca a quem está doente ou muito idoso para começar qualquer outra coisa.
Força Eli, espero receber notícias tuas fabulosas. Estou a torcer daqui.
Beijocas.
Graça

Eli disse...

marina

Espero que esteja tudo a correr bem. De facto consegui estar agora noutro trabalho e noutro sítio, se bem que mudar de casa é um hábito...

Eli disse...

Graça Pereira

Vejo-me muito longe de uma vida estável. No entanto, não receio a mudança. Estou a fazer o meu caminho, o meu trajeto. Não quero nada mais do que aquilo que posso obter :) e pelo qual luto, porque só assim se vence!