Agora nem nómada, nem emigrante.


terça-feira, março 28, 2006

O Vulcão



Era uma vez um Vulcão. Um dia entrou em erupção, explodiu força e fogo, cuspiu rochas negras e frias, quentes e fortes e foi feliz assim. Um dia, deixou-se ficar, ficar, ficar e, quando deu conta, já estava a dormir. As ervas, daninhas e felizes, cresciam à sua volta, dentro de si e... a pouco e pouco foi-se transformando numa montanha de pedras e de vegetação verde viçosa e... pedras. Ora, o Vulcão, mesmo adormecido, achou que aquilo não era vida, mas não tinha força para rebentar again. Estava demasiado frio... Ele morava numa ilha. A Terceira a contar do Sol. Passaram-se muitos anos, até que um dia resolveu que aquilo não poderia continuar assim. Só ficava e pensava. Só estava em paz e nada fazia... Não sabia como rebentar... Pensou, pensou, pensou até que começou a deitar fumo. Deu-lhe uma enorme vontade de sorrir e a alegria fê-lo acreditar que voltaria a ter a força de verdadeiro Vulcão. Ele inquietou-se, pois só deitava fumo durante semanas... Cheirava a enxofre à sua volta, mas... nada de magma... apenas rochas negras do passado. Foi-se deixando ficar, onde estava e achou que nunca conseguiria sair dali... perdeu o ânimo e ficou-se pelas reticências da beleza, das aparências de paisagem e todos se esqueceram da força que outrora fora. Apenas admiravam a sua aparência...

Eli

:)

46 comentários:

Sea disse...

li o teu post e achei que me revi nessa descrição, será que me posso ver como um vulcão?... talvez...

Monique Mendes disse...

Bonito :)

spartakus disse...

ai vulcões, num, que acordei agora. b'dia e bjoka.

Neith disse...

Palavras como flamas que nos despertam os sentidos :) Beijinhos

Dani disse...

Num dado momento, este vulcão como muitos de nós, rendeu-se ao conformismo. Durante um pequeno lapso de tempo, vislumbrou a luz, e começou a acreditar. Mas, talvez tolhido pelas recordações do passado, acabou por se recolher em si mesmo. No entanto, lá no seu íntimo, sabe que chegará o dia, em que de uma forma avassaladora, conseguirá superar-se e voltar a rugir em todo o seu esplendor.
Ou talvez não. Mas pelo menos, irá tentar.

Kalinka disse...

ELI
Sabes, por vezes, sou muito parecida com um vulcão...que entra em erupção, explode força e fogo, cuspe rochas negras e frias, quentes e fortes.
E, noutro dia, deixo-me ficar, ficar, ficar e, quando dou conta, já estou a dormir.
Algumas ervas daninhas crescem à minha volta, mas...tudo já passou...
Outras vezes perco o ânimo e fico-me pelas reticências da beleza e das aparências da paisagem.
Beijokas.

João disse...

Ciclos da natureza e certos rumos não se alteram...;)
tem um bom dia ;)

Musician disse...

Um grande beijinho te deixo*

Paula disse...

palavras que vem mesmo a calhar... estou mesmo a falar de vulcões nas minhas aulas:)

beijinhos

EROS disse...

E aqui estou Eli… aqui estou neste teu espaço onde também adoro ficar, ler e reler os teus posts… Primeiro quero saudar-te e agradecer-te pela tua visita, é sempre um prazer ter-te no meu blog. Seguidamente dizer-te que gosto deste teu texto, gosto muito, porque fui durante muito tempo um vulcão adormecido, fumegava por vezes mas, a maior parte do tempo nem força tinha para isso… agora volto a cuspir fogo mas, tenho momentos de profunda introspecção e nem fumo deito… o que queres, sou eu mesmo… no meu melhor ou no meu pior… Não sei como anda esse coração mas, se o teu vulcão está adormecido e tudo cresce em seu redor, ganha força para entrar em erupção porque vale a pena, nem tudo é a vida à nossa volta, vale muito mais a vida na nossa alma… luto por estares todos os dias em constante erupção… a explosão da vida é a erupção da felicidade.
Beijinhos…
PS: Visita-me sempre que quiseres… faço o mesmo neste teu espaço!

Santinha disse...

Ui ui!!

Quando um vulcão entra em erupção!!!!!

Oh minha amiga, quem não quer tar por perto sou eu!!!

Mesmo que seja uma metáfora!!!

;)

little_blue_sheep disse...

gostei!

Marco disse...

Olá!
Como podes ver, passo por aqui.
Já estive num vulcão inactivo e é ralmente uma paisagem fascinante.

Um outro olhar disse...

adorei a tua história se é que lhe posso assim chamar

todos temos um pouco do teu vulcão, de formas variadas e diversas...realmente vulcões e pessoas tão diferentes, mas no fundo tão iguais e parecidos

:)

Luís disse...

Continuo fascinado com o teu poder criativo! Este então está demais!

Anónimo disse...

Eu adorei ler isto...bem,nem sei se diga...será que sou?Hum...às tantas sou um bocadinho,sabes que eu digo muitas vezes que preciso de ir fazendo os meus pequenos abalos para não haver grandes erupções...mas tu não podias saber que tenho isto escrito algures,assim em pequenos textos...e adoro os Açores..sorri,é muito emoçon!como diria um que estou a ouvir agora e a que vou ao concerto um destes dias,o Rui Veloso,ui,ui!onde eu já estou!Perco-me contigo,eu sei!sorri...
beijinhos
M

Eli disse...

M: Estava a ver que não voltavas... mas não posso procurar-te...

Obrigada por apareceres.

:)

Anónimo disse...

Não resisto a dizer-te ...deves ser das poucas pessoas que não precisa de procurar-me,sorri mas podes sempre.
jinhos
M

Tiago disse...

Já há traços Açores! hihi

Terceira :P

inquietar - forma tb usada no continente, mas mais acentuda por estas ilhas...

Eli disse...

M: Não sei como te procurar, mesmo que não precise, mas respeito o teu espaço. Obrigada por teres voltado.

:)

almaqueabsorveaslagrimas disse...

Estou a ver que os açores andam a influenciar esta inspiraçao.. ;)

beijinho ***

blue note disse...

Olá menina vulcão...

NA NA NA

estarei aqui sempre para ver o magma... e quanto!
Aquecer-me-ei com o calor que emana! Como de resto faço sempre (sabes como sou... uma abusadora!!)

Mas também só deve ACORDAR quando vale a pena!!! :))

Beijo grande grande

BlueShell disse...

Muito bonito. Gostei, sim!
Grata pela visita.
BOM dia....e
Bom trabalho!
BShell

Nelsinho disse...

Vim por aqui de mansinho...vulcão adormecido!

Nelsinho

Paola disse...

Estondosas palavras, como num vulção.....

Beijos

Paola

alice disse...

“Fazes-me falta

O silêncio chegou
E espalhou miséria às portas da morte
Assustou os espíritos
E evaporou as conversas de espuma
*
Trazia na trela um cão pequeno
Que latia arrogâncias
E havia fome
No focinho da besta
*
Eu podia simplesmente
Falar da cinza e dos cornos
Ou iludir-te com a falta de luz nos ovários
Mas a espera
Requer vocábulos de natureza puta
*
Eu podia pagar-te
Para ires às mulheres da rua
Deixava a fera assentar o pêlo
E calava os hemisférios
*
Era bem mais fácil
Rogar-te pragas de marfim
Fazer de conta que a lua
Tirou umas férias amarelas
Ou inventar incertezas
No centro do equador
*
Mas ouço a febre descer à montanha
Num repique de sinos alegóricos
E espero durante a hora da missa
Perder-me no bosque para sempre”

Beijinho, obrigada por tudo ;)

A. S.

foguete fantástico disse...

foguete fantástico porque é a minha, pode ser a tua, a de todos que quiserem viajar para a terra do nunca...

Apeles_E disse...

bem... hmmm... como hei-de dizer isto... obrigado por tudo ^^ a sério, you made my day! (: os comentários de desconhecidos são sempre mais sinceros... vou dar uns olhitos pelo teu. *

Tu@reg_19 disse...

Tb nós somos um vulcão... Por vezes temos energia e vontade suficiente para explodirmos ao primeiro impulso, mas por vezes quando queremos explodir faltam-nos as forças e não passamos de um pouco de rocha, fria e inerte...
Bjs ;)

butterfly disse...

é triste quando assim é...quando vivemos apenas do passado...das coisas belas que tivemos e fomoes no passado...quantos de nós não somos vulcóes nas nossas vidas...por momentos,momentos largos tb eu fui um vulcão,assim sem actividade...espero que não te deixes ficar assim!!
Beijinhos!!

Diogo disse...

Retorico... bonito *

Marco disse...

Eli, claro que podes procurar.

Diogo disse...

Ando perdido.. confuso.. estranho

Orfeu disse...

Muito bonito Eli...cada vez mais escreves de uma forma divina.
O Vulcão como muitos de Nós...que por vezes perdemos forças e de vez em quando acordamos de sonos profundos…
Um beijinho

online disse...

Isso agora???
Vais muito bem:)

Sabes que me perco no meio das tuas palavras...
Salto e estou por perto,
vejo os pormenores, sinto os cheiros...
Levas-me!

O beijo

Miguel Ângelo disse...

...como uma aula ao fim da tarde.

Moranguita disse...

Lindo...
:) :) :)
:) :)
:)

bjtz

Maria e Jorge disse...

Adorei, sou da ilha dos vulcões - S. Miguel
Beijinhos

winterdarkness disse...

Eu sinto-me como um "vulcão" prestes a entrar em erupção muito em breve; tenho um certo receio desta força que sei demolidora e do que essa erupção possa arrastar no caminho! Kiss

Clife disse...

É... gosto muito quando escreves assim, como quem conta uma estória... sim, muito. (:


***

JSilvio disse...

* * *

blue note disse...

Ondes andas vulcão? será que decidiste adormecer mais cedo?

:))

Beijos e aqui estarei para ver-te acordar!

Anjo disse...

Outra visão de um vulcão!!...
Gostei.
Um beijo de boa noite

Pipas disse...

Simplesmente espectacular...

nina-salome disse...

olá linda!
de repente pareceu-me que o ecrãn do comput se transformou num espelho. fui feliz, muito feliz, depois adormeci na minha felicidade e deixei de viver... até que algo, um dia, fez despertar em mim a vontade de mudar e... foi o que fiz. contudo, não vou ficar como espactadora da minha propria vida, vou vive-la por mim e para mim pela primeira vez.
eu e o Filipe terminamos...
bjinho

Anónimo disse...

What a great site » » »