Agora nem nómada, nem emigrante.


segunda-feira, julho 09, 2007

Talvez... a culpa seja da saudade que rompe os olhares através das cores do mar. Num momento ou outro, a palavra "talvez" deixa de ter significado e esperamos por algo que nos arrebata os sentidos. Deixo-me levar ao sabor do que vier e entrego-me ao destino, durante um pouco, para que me escape e escorregue, como água, pelas mãos, a responsabilidade dos factos relevantes da minha vida...
Gostaria de falar directamente do coração. Não é possível, quando há uma resistência brutal que me encosta à parede e me deixa completamente cercada. Quero ser livre, mas não apenas em mim.
Eli
:)
Fotografia e palavras de Eli, como sempre.

2 comentários:

Daniel Aladiah disse...

Querida Eli
Ser livre é importante... mas o amor acaba sendo sempre uma prisão.
Um beijo
Daniel

Susana - aveiro disse...

Olá!!
Eu também tenho muitas saudadinhas... tás quase no vir:)
Será este post a continuação de uma conversa nossa??? Acho que sim...
Beijos