Agora nem nómada, nem emigrante.


sábado, fevereiro 16, 2008

Fugidia... :)


Imagem de Eli.





Quando sinto a presença de alguém em mim


Numa intensidade descontroladora


Quando as ideias e as palavras dizem sim


Eu sinto-me inevitavelmente vencedora





Há uma balada que arrepia as dúvidas...


Enaltece a beleza dos impulsos...


Aborrece as súplicas,


E transforma-me em vento





Viajo entre aldeias, florestas e mares


Encontro-me com os teus dedos


Num sonho, em que para me desejares


Bastava partilharmos segredos.





Suspirando noites sem estrelas


Através de ligações inconscientes


Onde a Psicologia espreitasse nas janelas


Como nunca tivesse sentido antes...





:)



Eli



(:

















5 comentários:

Gonçalo disse...

Desta vez sou o primeiro a comentar:)

Não é fácil interpretar os teus textos, exigem a atenção cuidada a cada palavra que escreves, mas percebo uma enorme vontade que tens em amar, ser amada e ser correspondida, recordando uma das frases-chave do filme "Moulin Rouge". Pode ser apenas impressão minha, mas pelo menos fica a impressão;)

Um beijinho grande para ti linda*

P.S.: Obrigado pela ginástica que fizeste hoje para chegar aos meus tesourinhos de antigamente, agora tenta encontrá-los novamente porque já levaste com as respostas;)

Natalie Afonseca disse...

Hummm...acho que te percebo!
Também sinto uma presença em mim, não sei bem o que.....

Gostei !

:))))

Narcisa disse...

:) O vídeo está muito giro não está?

Como estás?

Gosto das tuas palavras.

beijinho

Narcisa disse...

Os espaços nunca se fecham realmente. Portanto vai mas regressa.

:)

alice disse...

é um prazer redescobrir-te, eli. um beijinho *