Agora nem nómada, nem emigrante.


quinta-feira, outubro 29, 2009

Ir Ver o Mar

Lembrem-me de ir ver o mar
Fugi até aqui, pois as obrigações
Querem roubar-me a alma

Preciso de alento para entoar
Os sons das marés aos trambulhões
Encostar a face numa palma

Inspirar-te e encostrar
Os acentos e as pontuações

Ensinando a amar
Abandonando as frustrações

Ah! Que piano tão bravio, que triste saudar...

Escrevi, fotografei e fui alvo de paixões...

Eli

:)

(Imagem de Eli)

10 comentários:

Anónimo disse...

Eu gosto do som do mar. É relaxante, mesmo nos dias em que está revolto.
Entre ondas que vão e vêm, vão-se algumas neuras que possam ondular nos pensamentos.
:-))

em_segredo

Anónimo disse...

eu amo o mar e tudo o que ele representa....boA FOTO

Em@nuel

Gonçalo disse...

O regresso aos enigmas, mas desta vez um enigma mais aberto. Querida, estou contigo, para as histórias até à história!

Muahhhh :)

Eli disse...

em_segredo

Respirando fundo...

:)

Eli disse...

Em@nuel

E eu?! Eu revejo-me nele e outrora foi palco de muitos sonhos...

:)

Eli disse...

Gonçalo

Gostei de decifrar esse enigma!

:)

Vagabundo Social disse...

Ir ver o mar é super relaxante... O som das ondas, o cheiro salgado, o pôr do sol, as gaivotas, os faróis... A praia é um local belo. Obrigado pela tua visita ;)

Nilson Barcelli disse...

E não é bom ser alvo de paixões...?
Adorei o poema.
Querida Eli, desejo-te uma óptima semana.
Beijos.

Eli disse...

Vagabundo Social

Vou contar-te um "segredo":

Eu não vejo o mar há muito tempo!

...

Eli disse...

Nilson

Já nem me lembro bem o que é, quanto mais se é bom ou mau!...