Agora nem nómada, nem emigrante.


segunda-feira, fevereiro 22, 2010

Linhas contínuas

Foto de Eli

Quantas vezes já me perdi nessa escuridão. Aquela em que sonhei as verdadeiras conquistas do meu coração. Tantos quilómetros percorri até destinos desconhecidos, os quais passei a vivenciar dia após dia, entranhando-se como uma música que se impõe e depois deleita-se. As histórias que poderia contar teriam tantos rostos, que em cada um deles me perderia... A música não pode faltar numa viagem, nem tampouco as palavras. O que já passei contrói-me. É aquele passado que abraço com todo o meu ser. O presente só me é fácil, porque adquiri as armas que preciso para vencer. Apercebo-me que os conselhos que dou aos outros não são aplicáveis em mim. Porquê?! Esta força agarra-me, eleva-me e deixa-me ser simplesmente Eu.

Eli

:)

8 comentários:

Susaninha disse...

Adorer a foto...
Adorei o texto...

Mas um porque que os conselhos que dás aos outros não são aplicaveis a ti...
Agarra-te a vida e sorri Eli Elizinha:)
SUUUUUUUUUUrrisinhos:)

Daniel Aladiah disse...

Querida Eli
És mais exigente do que os próprios conselhos, o que se compreende pela experiência acumulada que nos dá competências... e, às vezes, talvez preferisses não saber tanto... e se acreditarmos que nada é por acaso, então descobres que só mesmo o acaso, quantas vezes no ocaso, tem a solução que procuras... pede, ser-te-á dado.
Um beijo
Daniel

Anónimo disse...

Numa viagem podem fatar as palavras e pode faltar a música, desde que não falte ''estrada'' por onde caminhar e as pessoas com quem fazer esse caminho.
Boas viagens!
A respeito do post anterior...
Nem tenho gps. O mais parecido que tenho com um, é um mapa.
:))

em_segredo

Daniel Silva (Lobinho) disse...

Antes de mais espero que esteja bem contigo, nunca mais tive noticias nem no blogue. Depois, deixa-me dizer que é exactamente este tipo de posts que escreves que me levou no outro dia a chamar de poesia, embora sejam linhs de pensamento e do teu sentir, escreves num registo poetico que nem todos conseguem. Gostei da foto e do texto dela emanado. E no que respeita à parte final, todos somos bons pregadores mas pouco receptores dessa mesma pregação. Damos força aos outros, sabemos ser imparciais e apontar caminhos mas no que nos diz respeito somos sempre mais lentos.

Muito bom este texto poetico mesmo sabendo que te saíu ;)

Eli disse...

Susaninha

Porque aqueles conselhos não resultam em mim, resultando nos outros!

Já viste isto?!

:)

Eli disse...

Daniel Aladiah

Talvez não seja uma questão de exigência. No entanto, eu, que sempre achei que somos nós que fazemos a sorte, começo a achar que existem certas casualidades que me passam ao lado e isso não ajuda nada!

:)

Eli disse...

em_segredo

Parece que não deixo de cambalear neste chão inseguro e tão incerto...

Podes recalcular tendo um mapa. Sinceramente, eu sei qual é a tua posição em relação a este tipo de encontros. Porém, também sei que és uma pessoa atenta. Deves reparar que este é um encontro literário e terás mais a ganhar do que a perder caso aceites este humilde convite que te faço. Gostava mesmo que fosses.

Bjinho.

:)

Eli disse...

Daniel Silva (Lobinho)

Olá!

Tens razão. Não tenho comentado lá no teu cantinho. No entanto, tenho passado por lá. Claro que devia ter dito algo, mas acabei por não o fazer. Obrigada pelo apoio que me dás. Sabes que é importante para mim, não sabes?!

:)