Agora nem nómada, nem emigrante.


segunda-feira, novembro 21, 2011

Sonhos


Imagem de Eli

Quão matreiro é o mar.
Quão matreira é a areia.
Deixa-se ser levada, pisada, degustada...

E os sonhos são assim...
Por mais que mudem as pegadas
Estão sempre no meu caminho.

Eli

:)

Participação em Novembro, na Fábrica de Letras

10 comentários:

Letícia* disse...

Bonito* :)

JP disse...

è o que muitas das vezes me faz seguir em frente e aguentar muita coisa: os sonhos!
Gostei!

Eli disse...

Letícia*

Obrigada :)


JP

São fonte de inspiração.

:)

mfc disse...

Essa capaciddae de continuares a sonhar é linda... linda!

Anónimo disse...

Olá menina Eli :)

Obrigado pela sua visita ao meu cantinho :)

Gostei muito deste seu cantinho tão intenso, caloroso e cheio de emoções. Visitá-la-ei sempre que me for possível :) Parabéns.

Gostaria de deixar-lhe um dos pensamentos, do nosso grande Pessoa, que mais gosto acerca dos sonhos:

"Matar o sonho é matarmo-nos. É mutilar a nossa alma. O sonho é o que temos de realmente nosso, de impenetravelmente e inexpugnavelmente nosso."

:)**

^º^

WildMindMan

Manuel Luis disse...

O sonho comanda a vida.
As linhas traçadas por nós, devem ser sempre paralelas a algo que queremos.

S* disse...

Muito bonito. :)

Eli disse...

mfc

:)

Linda é a tua amável visita.


WildMindMan

Fiquei agradavelmente surpreendida com a tua visita, como deves imaginar. Nesta altura já nem estava à espera... o que teve algum impacto.

E... jamais matarei a minha alma.

:)


Manuel Luís

"As linhas traçadas por nós, devem ser sempre paralelas a algo que queremos."

Paralelas?!



S*
Obrigada. :)

Ana disse...

Lindo :) E verdadeiro!

Eli disse...

Ana

Obrigada por o dizeres!

:)