Agora nem nómada, nem emigrante.


segunda-feira, dezembro 17, 2012

Felicidade? Sim.


Está bem, eu saio de cena. Também, este teatro nunca foi meu e, mesmo nos momentos de sonho, eu abri bem os olhos. Sabes porquê? Sabes?! Não sabes. Eu já estou habituada a sentir menos, a preparar-me mais. Sei falar, sei manter uma boa conversa, um discurso coerente, cheio de experiências verdadeiras e de sentires que preenchem. Não me resigno, porque para sair deste estado assim, só se for para melhor mesmo. Eu sei ser feliz.

:)

Eli

8 comentários:

marina disse...

Sabes e deves ser feliz!
Não te resignes, isso só nos atrapalha...

Roger disse...

Então sê feliz :P

Brown Eyes disse...

És muito nova para te resignares. Beijinhos

Salteador de Momentos disse...

[O Solitário] Não acho que haja felicidade. Se eu pudesse escolher o nosso maior defeito, eu apontaria de imediato a memória. A vida é um acumular de más experiências que vão tornando o nosso passado carregado negativamente e prevendo para o futuro mais desgraça. Resta dar graças às pouquíssimas coisas boas ou até mesmo ao emprego que nos mantém abstraídos de pensamentos negativos.

Não há finais felizes. Mas boa sorte.

Eli disse...

marina

O "truque" é não pensar em demasia!

:)

Eli disse...

Roger

You too! :)

Eli disse...

Brown Eyes

Pensa nisto como uma "resignação positiva" :)

Eli disse...

Salteador de Momentos

Eu vejo "finais felizes" e sinto momentos de felicidade, portanto, tudo isso existe. No entanto, o teu comentário deixou-me a pensar nas "amarras" do passado. Eu não tenho tendência para deixar que elas me prendam, mas, ao mesmo tempo, sei que elas pesam, por isso, consigo compreender-te, embora te diga que não é exatamente assim. Alé disso, há formas de manter os pensamentos negativos arrumados com esse passado. Acredita. Sim?! :)