Agora nem nómada, nem emigrante.


terça-feira, julho 16, 2013

Evoluir

Quem me conhece, sabe perfeitamente que eu sou muito benevolente, tanto que por vezes caio em exagero. Mas, logo me recomponho e deixo-me fitar num tipo de raciocínio que é tudo meio vazio. Já muitas vezes disse "não me façam de parva". A minha sinceridade, a minha segurança fazem permanecer muitas pessoas na minha vida, tantas que não é comum manter-se assim este gostar de personalidades tão diferentes que por vezes teimo em juntar para umas belas jantaradas ou algo semelhante. Só lamento que tenha que virar a mesa sem necessidade nenhuma. Há dias estranhos assim. Hoje, experimentei uma coisa nova. Pelo menos tinha um nome novo (riso)! Mas, lá por estar pacífica num determinado momento, não significa que a seguir me mantenha, pois eu sinto as cenas, sim cenas, melhor que coisas... Tenho muita noção do mérito e sei perfeitamente que não me empoleirei num pedestal. Parece que os emparelhados necessitam de um complemento subjacente! Credo! Cresçam!

Eli

2 comentários:

Mary Brown disse...

Eli não sei o que se passou mas depreendi que alguém pisou o risco e tanto que resolveste publicar a tua indignação. Eu prefiro quem se coloque num pedestal do que aqueles que têm a noção da sua nulidade. Estes últimos tentam fazer a vida negra a quem acham ser superior. Beijinhos

Eli disse...

Mary

Este espaço serve para pulicar o que me apetecer, venha a inspiração de onde vier! Obrigada pela tua opinião.

:)