Agora nem nómada, nem emigrante.


segunda-feira, agosto 28, 2006

Vou...

Vou. Cada passo que dei em falso, me fez cair, mas também me fez levantar. Cada amigo que me segurou nas mãos da alma desejando-a a sorrir, também me deixou cair, mas nunca deixou de estar lá... Percorri estradas muitas vezes duvidosas, mas na luta tive o sabor de me sentir recompensada por fazer o que me mandou o coração e este doido não se deixou render e... ainda bem! Hoje, posso dizer que ter vivido um dia de cada vez, não tentando dar um passo maior do que as pernas, nem marcar pegadas que não fossem apenas as minhas, fez com que não estivesse sozinha, apesar da solidão ser uma condição parte da minha personalidade! Os meus pés vão conduzir e os meus passos guiar... uma dança que me guiará, assim como ele, que me deu a mão.
Agradeço de coração a quem mora nele.
Eli
:)

P.S. Foto de Eli.

5 comentários:

filos disse...

Dança minha amiga... dança...

Butterfly disse...

Que bonito!! que sigas sempre de sorriso...umas vezes mais rasgado...umas vezes mais timido mas que te acompanhe sempre... :)
Beijinhos!!

Luigi disse...

Guarda as recompensas partilhando-as. Que os teus passos nunca se percam no caminho do sorriso

Musician disse...

Sorri sempre querida Eli.
Imagino o teu sorriso como um dos mais belos :)
Um beijo no coração.

Clife disse...

Vai uma dança? Xô! lol =P *