Agora nem nómada, nem emigrante.


terça-feira, maio 05, 2009

Saudade


Vou duplicar esta palavra...
Como vivê-la?!
... sei o que provoca e é tão estranho...
Eli...

6 comentários:

Amaral disse...

Tão portuguesa, tão pessoal e tão intensa...
Vivê-la em duplicado será mais sentido e profundo...

preto [e] branco disse...

Ela não é estranha, é poderosa e, duplicando-a...dói.

O caminho é esquecê-la, partindo para um novo viver.

bj...nho

legivel disse...

... tenho saudade de um tempo tão distante que já me esqueci do que é que tenho saudade nesse tempo...

(Se me lembrar voltarei aqui a escrever se valeu mesmo a pena ter saudades tão longínquas.)

Monilis disse...

Estranho? É indizível! E doí... muito! Também sei o que significa...

Gaybriel & Peter disse...

Um ano após escrever o último artigo como Gaybriel em “No silêncio dos meus sentidos”, regresso, agora acompanhado ao “No silêncio dos meus sentidos... A dois! ”.
Naveguei durante anos à deriva, percorri quilómetros em busca de um sonho que sempre julguei difícil de alcançar, no entanto… hoje sou o homem mais feliz do mundo, pois encontrei o amor e a minha estabilidade emocional ao lado do Peter.
O Peter, que em parceria comigo, decidimos a partir de hoje partilhar com todos os que tencionam passar por aqui, os nossos sentimentos, os nossos sonhos, as nossas memórias do passado, os nossos desejos para o futuro e até as nossas opiniões de uma forma geral.
“No silêncio dos meus sentidos...A dois",nós os dois e o mundo.

Gaybriel & Peter

Zé Miguel Gomes disse...

Mudaste para uma cidade cinzenta... Eis o fruto do granito, a saudade...

Fica bem,
Miguel