Agora nem nómada, nem emigrante.


sexta-feira, dezembro 11, 2009

Amigo


Imagem de Eli


Num momento musical de pensares longínquos, resolvi refugiar-me aqui, junto a um momento bom e inesquecível. És tudo aquilo que disseres, mas és tão mais! És uma força da Natureza, és alguém que vale a pena manter pertinho. Ter-te junto de mim é sinónimo de grande bem-estar. Tu dizes-me palavras da alma que fazem-me sentir que valho a pena também.

Lembro-me de me sentir livre ao dançar contigo. De esquecer tudo e viver a alegria da tua presença.

És especial. Quero que saibas isso e que preciso de ti. Tu conquistaste sorrateiramente o teu verdadeiro lugar no meu coração. Preciso de abraçar-te muitas vezes para sentir que realmente existes e me concedes esse abraço com o tal amor do qual és feito.

Ensinaste-me a aceitar-te com naturalidade e aprendeste a lidar comigo como mais ninguém. És insubstituível.
Agora consigo ter uma visão mais abrangente com os teus ensinamentos.


Eli

:)




17 comentários:

Eli disse...

Originalmente escrito noutro lugar.

:)

Daniel Silva (Lobinho) disse...

Ainda estou a recuperar do meu comentario (ou melhor será dizer, do teu poema) do post anterior, e já leio este.

Mas neste só digo que precisamos de ter cuidado, Eli. Gostei muito da Esperança e da fezada sem mais quês e mais ainda da dança leve, livre e solta que tens com "ele". Mas por vezes, revisitar o passado é uma forma carente de viver o agora.

Querida Eli, és muita bonita e peço desculpa se te dispo as palavras sabendo da tua gentileza no meu canto.

beijinhos amigos e desculpa chegar sempre tarde, mas nao és a unica...

Eli disse...

Daniel

Não chegaste tarde. Atempadamente dás-me sempre um pouco de ti através das tuas palavras, que não me canso de agradecer!

Ainda que nem seja interpretável no sentido real, mas da personagem como já referiste, os teus apentamentos levam-me a pensar (ainda mais) no sentido do texto, mesmo que ele tenha deixado de ser meu quando o publiquei, aqui.

Aguardo ansiosamente os próximos comentários, teus e não só.

Cada vez mais sinto a recuperação do dinamismo que gosto de ler aqui, nesta caixa de registos/comentários...

:)

Anónimo disse...

Não fui capaz de perceber se o texto enaltece algum amigo em particular , ou se enaltece a figura do amigo , num sentido muito mais abrangente e geral.
Na verdade, nem importa muito saber qual das duas hipóteses é a acertada, pois, seja qual for, ambas se enquadram muito bem neste teu, mais uma vez, bonito texto.
:))

em_segredo

vituu disse...

gostei muito do texto...
parece ate uma prece

Ana Carvalho disse...

Oi Eli... palavras para quê?
Tu sabes perfeitamente o que é um amigo e isso fez-se sentir nas tuas palavras :).

Beijinho grande

Gonçalo disse...

Estou cansado, desgastado fisica e mentalmente mesmo, e não estou com cabeça para grandes enigmas, ainda para mais por sentimentos de gritar ao mundo!

O dia de hoje digamos que foi menos bom, momentos facilmente ultrapassáveis pelo amor próprio (e umas boas horas de descanso, também) mas por vezes queremos mais do que amor próprio. Queremos palavras como as tuas, plenas de sentimento como sincera profundidade, palavras que confortam e reforçam mais a constante frase da nossa voz interior "Tu és Amor!"...

Hoje só tenho uma coisa para ti. O meu real abraço.

Chegas a ser mais do que bonita...

:)

litleflower disse...

Oi Eli

...é dificil , entrar neste teu espaço sem deixar umas pegadas.Prometo calçar chinelos de veludo sempre que cá entrar, de igual modo prometo colocar os meus óculos «novos» para poder com toda a atenção saborear cada vogal, cada consoante, cada silaba de cada palavra... és fantástica como pessoa e isso transparece aqui neste lugar! Pena não poder usufruir da tua presença durante mais tempo...VALEU A PENA! Cada palavra que li dos teus post ajudaram-me a reflectir... ;-)

Continua assim , como te conheci: sincera, transparente e com uma alegria capaz de desarmar o mais sisudo!
Que sejas feliz, muito feliz.....;-) ( segunda-feira lá estaremos para mais uma semana) beijokas

xenevra disse...

Quem esteve, sempre permanece na memória. Não há máis tempo que o do próprio recordo, não más passado que o que permanece nos olhos.

precioso
un saúdo dende a Galiza

Daniel Aladiah disse...

Querida Eli
Eiiiiiiihhhhhhhhhhh.........
Um beijo
Daniel

Eli disse...

em_segredo

Se quiseres posso revelar-te esse "segredo", mas creio que não estás curioso...

:)

Ah! E... muito obrigada! Estou-te sempre agradecida.

:)

Eli disse...

vituu

Gosto de ler estas visões. São perspectivas que nem me tinham passado pela cabeça!

:)

Eli disse...

Ana Carvalho

Obrigada, mas só quem sabe o que isso é, é que percebe bem o sentido das palavras!

:)

Eli disse...

Gonçalo

E, abraçando-me mostras que há um lugar terno e seguro para onde posso ir sempre que quiser, mesmo sem precisar.

:)

Eli disse...

litleflower

Olá! Welcome!

Estava a ler este comentário (o que escreveste) e não imaginava quem teria escrito tais palavras... Quando me apercebi que eras tu, fiquei ainda mais agradavelmente surpreendida. Adorei o que escreveste. Podes calçar pantufas, chinelos, vir descalça, mas não deixes de vir e de te fazer sentir que é de palavras que sobrevivo, principalmente das que me dizem tanto.

Muito obrigada.

:)

P.S. Calça é mesmo uns saltos como os da C. para que ouça (leia) a tua presença até ao longe...

:)

Eli disse...

xenevra

Muito obrigada. Hoje senti que o meu blogue está a tornar-se internacional...

Thank you! Gracias! Obrigada!

:)

Eli disse...

Daniel Aladiah

Então? O que quer isso dizer? Espanto? Admiração? Repulsa? Duvida?

lol

:)