Agora nem nómada, nem emigrante.


terça-feira, janeiro 12, 2010

Réstia


Imagem de Eli

Ficou ali um pouco de Janeiro. Um pedaço de esperança e de viagem longa. Entretanto, a noite chegou. Aproximou-se. Tocou-me com as suas mãos de veludo negro. Não fugi. Para quê abdicar dos momentos lentos, quando só quero chorar... Em pensamento, levei as mãos à minha face. Moro cá em cima. Em outras perspectivas, aperceberam-se da minha passagem. Preciso de contar histórias para sobreviver. Abro os meus dedos e encontro flores, desenhos, aventuras e tantas surpresas presenteadas com sorrisos. Já não sou dali. Rondo o lugar à espera de uma réstia. A paz será erguida e a vitória foi, efectivamente, conseguida. Orgulho-me novamente de um café qualquer, onde uma moeda será alvo de lembrança. Uma visão periférica de aspectos de mulher. Vestimenta com cores nossas. E... os abraços com os olhares, os sorrisos, amizade e... gargalhadas. Aquele som paira na minha memória. Agradeço-lhes por me terem deixado ser quem sou.

Eli

:)




19 comentários:

Anónimo disse...

Nesta noite... Tudo baste no coração e as recordações vêm à tona... A saudade, a amizade, o profissionalismo, o carinho,... e principalmente a partilha! Vais continuar a caminhar por caminhos ainda desconhecidos. Mas com uma certeza: em cada lugar que pisas, seja muita ou pouca a duração, deixas a tua pegada e jamais se apagará. Que os braços que te vão acolher sejam semelhantes àqueles que aqui te vão deixar...
Nestes rápidos 4 meses, o tempo que passámos juntas foi uma criança, mas a amizade que ganhei será uma idosa.
Até sempre amiga Bete!

Sê Feliz!
Beijinhos Nita!

litleflower disse...

Minha querida AMIGA...

Foram poucos os dias, mas muito bons os minutos que passámos juntas. Não é importante a quantidade mas sim a qualidade... quão imenso é o mar ... e a ninguem pode saciar. Quantos permanecerão durante muito tempo, muitos minutos, muitas horas, dias...semanas...meses ...anos e tão poucos ou nenhuns saciarão. Tu foste a pequena grande gota, num imenso oceano, saciaste quem te procurou e procuraste alimentar memso aqueles que te afastavam...Foste brisa em dia quente , quando refrescaste momentos de cansaço com um sorriso inconfundivel... gargalhadas inesqueciveis... abraços do tamanho do mundo... e um olhar terno e doce ( ultimamente sentia-o vazio e um pouco triste). Não aceito despedidas, porque para quem «Ama»... não há partida, não ha separação... não há cor, nem tamanho... apenas aceitação e partilha e um coração onde se guardam 'fadas'como tu. Só uma fada tem o dom de se adaptar e dar cmo tu te deste. Só uma fada sente necessidade de fazer a sua ronda no jardim encantado para ver se a felicidade se mantem intocável em cada rosto....
Não precisas saltar como o «sapo» para que uma «pata» qualquer repare em ti ... silenciosamente ...tu aqueces-nos!
Cinco centimos marcam a diferença, uma vestimenta marcam a igualdade ... uma estrada marca um caminho ... 4 meses uma amizade ....

adoro te amiga e lembra te ke a net existe .... muitas vezes calçarei os meus chinelos e com as minhas palavras abraçar-te-ei , porque de vez em quando sabe bem o teu abraço, o teu sorriso o teu ruidoe a tua «veborreia» tão saudável....

vai uma tosta?

« es linda e unica ... nunca mudes»

Anónimo disse...

Vida de saltimbanco, né?
Chegar, estranhar, integrar, partir, estranhar, saudades...
Espero que novos horizontes e novas metas te tragam velhas sensações de conforto e de integração nalgum sitio .
:)

em_segredo

Miguel disse...

O amor acontece... se duas pessoas fizerem por isso... cada palavra, cada gesto, cada dia...

Anónimo disse...

Pousaste no meu coração como um punhal afiado que o rasgou e marcou.
Partiste. A ferida ficou exposta. Começa dificilmente a sarar mas permanece e permanecerá eternamente. Essa jamais irá permitir que esqueça o cruzar das nossas vidas. Olhá-la-ei e lembrar-me-ei de quem a abriu: Elisabete!!
A tua SIMPLICIDADE, a tua ALEGRIA, a tua HONESTIDADE, a tua SIMPATIA, a tua SABEDORIA, a nossa CUMPLICIDADE, a nossa AMIZADE...
As brincadeiras, risadas, conversas, cuscuvelhices, sempre num tom baixo esperando que a qualquer momento alguém as interrompesse...
As palavras já não brotam com tanta facilidade, atropelam-se umas às outras quando no meu pensamento revivo a nossa amizade.
Aprendi contigo... minha amiga....

S.

Pena disse...

Amiguinha:
Soberbo. Perfeito.
De maravilhar e deslumbrar.
Excelente texto.
Beijinhos amigos.
Adorei.
É um Ser Humano Perfeito e lindo.
Com imenso respeito.

pena

Bem-Haja, terna e doce amiga.
Parabéns pela forma extraordinária como é e como escreve.
Já assinalei.

Gonçalo disse...

Esta caixa de comentários é uma espécie de tributo à Eli. Observo com atenção este tributo e não me surpreendo. Apenas confirma tudo aquilo que já conhecia e conheço da Eli. A Eli é uma força da natureza e algo me diz que o tempo revelará uma Eli cada vez mais apaixonante e com a luz dos grandes génios!

Há dúvidas?

:)

Um beijinho grande para ti *;)

litleflower disse...

Amiguinha por onde andas?

cCalço as minhas pantufas ... entro de mansinho e espero... em sileêncio por um pouco do teu mel! Mas de cada vez que cá venho ultimamente encontro o pote vazio... Eu sei que estás de férias ... mas lembra-te que nos faz falta o teu doce para animr os nossos dias .

um beijinho mt grande para ti MINHAB QUERIDA AMIGA...........

Daniel Silva (Lobinho) disse...

Finalmente no teu blogue :)

Sabes, os teus poemas (à falta de melhor expressão) têm sempre muito de enigmático, e muito embora tu mesma possas não ter a chave para o enigma que sempre fica, tens passwords. Começas de forma lindíssima mas mudas de registo mais tarde como quem, indo numa direcção, mudou de veículo sendo outro o condutor.

Como se numa primeira parte tu mesma conduzisses sozinha, com aquela tensão de equilíbrio que brota do sentimento de tristeza (neste caso desencanto, reflexão, choro), para depois acelarares o veículo e não te importares de passar o vermelho embora com outro condutor, numa alegria fugaz mas sentida, porque afinal "a paz será erguida e a vitória foi, efectivamente, conseguida".

Resta saber (mas tu sabes com um misto de esperança e desilusão) se a perfunctória mudança de veículo num percurso que já conheces, torna o percurso mais ousado... ou mais pendendo mais para um sus+iro em vez de um alívio.

Um enorme beijinho e parabéns mais uma vez :)

Eli disse...

Nita

Lembro-me bem de estar num lugar, que tu sabes bem qual é, com o computador no colo, a ler as tuas palavras. Naquela altura bateram tão forte que fiquei a adivinhar como seria a partida real no dia seguinte. Eu pensei "fugir" a isso com conversas circunstanciais e a constatar o óbvio, coisas que faço para "manipular" as minhas emoções... Porém, foste tu que desapareceste. Acredito que não tenha sido fácil. Eu, pelo menos, tive que fazer coisas diferentes, concluir o processo (breve), mas para ti não deve ter sido fácil olhar para os mesmos lugares sem mim. Sei isto, pois lembro-me bem o que foram aqueles dois dias e já não saberia olhar aqueles espaços da mesma forma, mesmo tendo lá pessoas excepcionais que se revelaram excelentes amigas. Ninguém é substituível... Cada um tem o seu papel...

Lamento não ter tido oportunidade para mais, mas não fico triste, pois a minha estadia aí foi uma sucessão de vitórias! Só assim poderia falar, sendo a positivista que sou!

Muito Obrigada.

:)

Eli disse...

Olá litleflower!

Releio o teu comentário e sinceramente, escasseiam-me as palavras. Curiosa foi a forma como descobri que já fazias parte da minha vida. Parece que se estalaram os dedos e já estavas ali. Posso respirar fundo e sentir-me agradecida por todas as vezes que tu (e não só, mas neste momento falo de ti) me olhaste com sinceridade e me apoiaste, para que atmbém aí pudesse ser quem sou e marcar a diferença! Lembro-me tão bem de que quando não estavas (foste àquele xixi necessário) e me "saltaram logo em cima"! Xiça! Mostrámos-lhes algumas coisas!!! LOL

Tão bem que soube levar-te a casa daquela vez que tinhas "perdido" a chave. Eram os anjos a levarem-nos para uma cumplicidade maior...

Tal como te disse no último dia. Continua a ser assim muito profissional, mas não esqueças que há muito para além... pois às vezes pareces-me muito entregue à rotina confortável!

Ah! E não te cales! Faz cara feia! Já te vi tantas vezes a ser assertiva. Podes sê-lo sempre!

Conseguiste cativar-me, mesmo quando nos primeiros dias me senti muito sozinha! Foi muito bom ser par contigo, companheira! Já te disse que és especial?!

Vem sempre aqui... sentir algo.

Obrigada!

:)

Eli disse...

em_segredo

Exactamente. Quando li o teu comentário, vi o resumo que costumo fazer tantas vezes...

:)

Eli disse...

Miguel

Acontece... sim... e... aqui... temos sentido isso em cada palavra...

:)

Eli disse...

S.

Engoli em seco. Apetecia-me brincar um pouco tal como me mostraste que era possível. Atirar uma gargalhada pelo corredor...

Ou são as tuas influências literárias, ou um talento oculto... não esperava que me rasgasses as amarras da razão. Posso ser o que dizes (ou o que dizem). Sou orgulhosa, tu sabes. Mas, nunca te esqueças que só fui/sou assim porque me o permitem. Deixa-me respirar fundo e dizer-te que poder falar à vontade é das coisas mais positivas que se podem ter. Não ter que pensar antes... ser o que sou é o que me faz sentir especial. Tu soubeste sempre aliar isso às vicissitudes do dia-a-dia. Cruzaste-te comigo ali, mas há muito mais além e cá te espero(esperamos)!

Preciso de parar um pouco. Revivo tantas memórias ao escrever... que me perco um pouco...

Lembro-me bem da paciência nas manhãs. Da cumplicidade na sala. Da ajuda e complementaridade que pude ter contigo sem pedir. Naturalmente podemos fazer com que a vida não se torne mais difícil.

Deixa-me retirar o punhal e curar as feridas, para que cicatrizem e se tornem alicerces para o futuro!

Obrigada. Muito.

:)

Eli disse...

Pena

Soberbo é o sentir. Não o escrever! Pelo menos neste caso!

Obrigada!

:)

Eli disse...

litleflower

Ouvi (li) o teu chamamento e cá estou eu. Apresento-me um pouco afastada, mas presente.

Muito cliché, mas o que importa é sentirmo-nos perto.

Podes ficar.

Tenho tendência para escrever menos quando ando assim mais aluada (tipo férias)...

Devia ser ao contrário... mas quem disse que sou normal?!

lol

:)

:)

Eli disse...

Olá Daniel!

A tua visão das minhas palavras fez-me sorrir! A dada altura não sei bem se clarifique, se termine, se fique. Sinceramente, escrevo o que me apetece. Aqui posso conduzir sem regras. Na minha vida, só cumpro aquelas que intereferem com os outros. De resto, faço mesmo o que me apetece!

Obrigada (também mais uma vez)!

Mas... percebeste?! Afinal tinhas a chave principal do enigma!

:)

Gonçalo disse...

Então e resposta para mim?

Ai, ai...

:-)

Eli disse...

Gonçalo...

Sorry, my dear friend.

Bem, a ti, ao ler aquelas palavras, dir-te-ia com um dos meus sorisos: "és tão mentiroso"...

:)

Ao que tu responderias, quase piscando os olhos de indignação, de intriga e brincadeira: "pois sou"!!!

:)

Bem, temporariamente, esta caixa de comentários tornou-se realmente um lugar onde se podem constatar palavras muito bem escritas, mas acima de tudo, sentimentos verdadeiros e bem reais. Não te surpreendes, porque és detentor de um conhecimento proporcionado "off record"! LOL Ou então, o teu lado de atento não foi adormecido!

Serei cada vez mais apaixonante se assim me permitirem. Sabes bem que o terreno nem sempre é fértil, mas mesmo assim crescemos de qualquer forma!

Obrigada e desculpa não ter respondido atempadamente.

:)