Agora nem nómada, nem emigrante.


terça-feira, maio 04, 2010

Incómodo

Imagem daqui

Ultimamente tenho andado a dizer muitas vezes, a algumas pessoas que fazem o favor de me ouvir, que detesto ser um incómodo. Se for a pensar bem, eu sei que só incomodo, quando a minha presença não for considerada um prazer. Fazer companhia a alguém, ou vice-versa tem muito que se lhe diga. Pode ser vários motivos: pena, solidariedade, compaixão, amizade, amor... No entanto, o simples gosto de estar com alguém que nos faz bem é aquele que subsiste em qualquer lista que viesse a elaborar. Eu confesso que não tenho por hábito fazer fretes. Ou seja, se estou a fazer companhia a uma pessoa é porque quero. Sei que este assunto é banal, mas, estar tanto tempo sozinha, fez-me pensar neste facto. Afinal, deparei-me com algumas situações, que me evidenciavam sinais de pouca vontade. Naquelas alturas em que os amigos são casais e pensam que só programas para casais é que são viáveis?...! Ou quando somos a última pessoa escolhida para estar presente num "evento", só porque mais ninguém podia ir!? Tenham paciência. Não gosto de ficar para último lugar, pois ou sou querida e desejada, ou não!

Eli

:)

25 comentários:

Anónimo disse...

Olá Minha Eli!
Que pena não te ter aqui comigo e com a S. Ainda ontem dissemos que com a tua presença tudo seria diferente... Porquê? Não sabemos. Mas seria.
Sinto a tua falta. A tua companhia. A tua compreensão. O teu apoio.
És uma das únicas pessoas que não és nem deves ser a última mas sim uma das primeiras como escolha primordial.
Mas, infelizmente partilho da mesma opinião que tu. Também já passei pelo mesmo. Apenas estes "amigos" dão-nos logo o sinal de que não são amigos verdadeiros nem de coração. Destes não precisamos. Há mais que precisam de nós e nós deles.
Para mim a tua presença será sempre uma excelente companhia! Se estiveres feliz, eu riu contigo. Se tiveres triste, eu choro contigo! Mas também te dou na cabeça!!!
Não te sintas só. Tens um leque de amigos que querem a tua presença. Não tenhas medo nem receios. Procura-os. Bate-lhes à porta. Se não te deixarem entrar, procura a porta seguinte. Muitos amigos estão à tua espera. Como eu. Entra na minha vida quando tu quiseres. Estou sempre disponivel para ti! Partilha! Alivia-te a dor! E nunca serás um incomodo mas sim uma amiga especial! Faz-me também uma amiga especial!

Um beijinho grande!
Muitas saudades!
Nita!

Daniel Silva (Lobinho) disse...

Eli

Este tema é-te recorrente. Já não sei precisar o que referi na altura, mas hoje apraz-me dizer que qualquer encontro/programa/convívio fica sempre mais enriquecido dependendo do número e DIVERSIDADE de pessoas. Por vezes o número pode até ser o último elemento a ter em conta, mas nunca a diversidade na unidade.

Um grupo de pessoas que se passe a encontrar regularmente sem que para isso abra o leque a quaisquer outros (obviamente dos seus relacionamentos directos ou indirectos), é um grupo de pessoas que está já a envelhecer e onde o novo não entra já. Podem até não conscencializar isso, habituado que esteja (o grupo) na sua expressão colectiva e individual aos mesmos costumos e pessoas. Mas isso porque nao admitem já que sejam contrariadas na mudança formal e substancial, como se uns fossem clubistas de A e outros de B invalidanmdo um convívio salutar entre A e B.

Compreendo que fiques algo "magoada" porque nao se trata de encontros de bloguistas (não blogueiros) mas aparentemente pessoas tuas amigas só que ja "aparelhadas", mas nesse caso e porque não és desejada, eu reequacionaria a tua relação com elas.

Não deixa de ser chato viver o chavão "antes desejado que aborrecido", mas em nome do sentir-se à vontade devemos ser fiéis a nós.

Da mesma maneira que nao temos de participar em tudo o que são programas/jantares/encontros só porque sim, também nao temos de nos subjugar a estar presentes como preço de uma pseudo aceitação.

E pelo que conheço de ti, és interiormente livre com as limitações que todos temos, o suficiente para nao ters de lamentar tanto amigos que so o sao entre aspas...

Anónimo disse...

Olá querida Eli...

Assino por baixo disto tudo e peço desculpa à dona da escrita (:-) mas resolvi transcrever...
"Que pena não te ter aqui comigo e com a S. Ainda ontem dissemos que com a tua presença tudo seria diferente... Porquê? Não sabemos. Mas seria.
Sinto a tua falta. A tua companhia. A tua compreensão. O teu apoio....";

e eu também...talvez porque os olhos se encheram de lágrimas ao pensar em ti, com tanta saudade e carinho... e quando esta bate, resolvo dar uma esperitadela ao teu Blog para saber de ti... mas sabe sempre a tão pouco...
Porque Amigas Especiais que nos fazem Rir e mais tarde chorar, são poucas e essas têm que ser bem guardadas no nossso coração...

Por isso é que transcrevo o que a Nita disse: "...Faze-nos tanta falta...."
Pensando nos poucos, mas bons momentos com imenso carinho, tenho os olhos alagados de saudade... e vou parar aqui...
porque esta estúpida lágrima, teima em não parar de correr...


Beijinhos AMIGA...
Continua Forte e corajosa...
vai dando notícias, porque no meu e no coração de muitos meninos "coloridos", nunca estarás em último lugar!!!

de: §*u*§ L.V. (ecomarazul)

CiberAmigos disse...

Beijinhos e mais beijinhos...
estamos a precisar de notícias tuas...

Rafeiro Perfumado disse...

Eli, em poucas palavras: gostam, gostam, não gostam ponham-se a andar que se faz tarde e está quase a começar a novela!

Beijocas!

Rambaldini disse...

Não és incómodo nenhum!

ana disse...

:) tenho saudades tuas! pq sei que és assim, verdadeira e pura amiga! :) beijo

izzie disse...

Somos duas Queen Eli!

Casal ou não casal não consigo ser nem fazer assim a quem amo.
Não sou de fretes... nota-se logo em mim...
E ler-te foi como ver-me em certos cenários.

Sabes o que te digo? Pensa nos planos que te criei esta semana... ;)

Beijinho,

Poetic GIRL disse...

Eli penso da mesma forma que tu! Gosto que as pessoas me queiram ao lado pela minha presença, pela minha maneira de ser e não porque sou o ultimo recurso. Quem me usa como ultimo recurso perde a minha amizade, pois eu não sou nem nunca serei substituto de ninguém. bjs

Eli disse...

Nita

Para mim também seria tudo diferente caso estivesse ainda aí. No entanto, há coisas inexplicáveis que nos vão acontecendo ao longo da vida. Neste caso, o facto de ter vindo para aqui proporcionou-me outras coisas. Claro que não usufruo da vossa companhia e isso é insubstituível.

Também sinto a tua falta e acho que não percebes muito bem a minha maneira de lidar com isso.

Este post foi mais uma reflexão do que uma depressão! Eu sei bem das pessoas que me fazem bem e me querem na sua companhia! Ainda bem, não é?!

Bem, espero que continues a vir e a comentar. Enriqueces-me.

Obrigada.

:)

Eli disse...

Daniel Silva (Lobinho)

Provavelmente já devo ter escrito sobre isto, pois é algo que observo e não é a primeira vez. Como reflecti (de novo) sobre o assunto, aproveitei para o descrever.

Penso que isto não terá a ver com encontros de "desconhecidos", pois eu referia-me a relações estreitas. Também não gosto quando se fecham grupos. Aliás, sou a primeira a receber pessoas novas e a prova disso é que o meu "grupo" de amigos está em constante "mutação", pois quem faz parte é quem está presente!

E... concluo com a tua expressão "E pelo que conheço de ti, és interiormente livre com as limitações que todos temos", que diz tudo aquilo que é preciso nesta resposta ao teu comentário!

:)

Eli disse...

L.V.

Olá!

Não deixes que os teus olhos se encham de lágrimas. Sabes, sempre te senti perto sem nunca ter estado tempo "suficiente" para tal. A prova disso são estes comentários tão carinhosos que nem sei como retribuir.

És uma pessoa especial e transmites isso aos que te rodeiam. Se, algum dia, quiseres escrever/desabafar, tens total liberdade para me "alugar", pois fá-lo-ei com todo o gosto!

Muito obrigada.

:)

Eli disse...

CiberAmigos

Estou a dever-vos umas visitinhas! Desculpem a ausência!

Bjinhos

:)

Eli disse...

Rafeiro Perfumado

Ainda conseguíamos resumir isso apenas em duas palavras, mas, aqui, não!

Mania de escrever com várias palavras...

:)

Eli disse...

Rambaldini

You too.

Beijo...

:)

Eli disse...

ana

Eu também e olha que vamos tratar disso brevemente...

:)

Eli disse...

izzie

Sim, a tradução do meu nome! HEHE

Olha, quais planos?!

hmmm

:)

Eli disse...

Poetic GIRL

Chamem a isso personalidade ou teimosia, acredito que o que importa vai mais além dessas mesquinhices. O nosso lugar no Mundo é conquistado?!

:)

Anónimo disse...

Na amizade não há lugar para o meio termo? Eu acho que há. Passo a explicar...
Há Amigos e há amigos.
Se alguém disser que gosta de 2 pessoas da mesma maneira e com a mesma intensidade , mente.
Pode-se gostar e ser gostado, mas é lógico que haverá sempre pessoas com quem criamos laços mais fortes .
Há situações e momentos para os quais até é melhor nem sermos convidados, seja por se ir fazer algo que nem apreciamos, ou pela própria dinâmica de grupo não ser a melhor.
Não sei se foi o caso , mas gostavas de ser convidada , independentemente da prioridade do convite dirigido a ti, para algo que quem te convidasse soubesse que nem gostavas e que te ias sentir uma outsider? Eu não!
A vida é feita de tantas escolhas e prioridades, que se formos a fazer um balanço , vemos que somos muitas vezes , nas mais variadas situações, relegados para 2º plano, mesmo pelos amigos. Mas, se analisarmos bem , também há vezes em que somos opções prioritárias.
Há um equilibrio.
:))

em_segredo

Fatucha disse...

Que mania que os casais tem de criar estas barreiras, estas regras de conduta...irrita! pq antes de eles serem casais ja tu eras amiga de um deles, certo?então ha que ter tempo e disponibilidade sim! e se eles assim n demonstrarem, azar o deles.

Olga disse...

Eli, ninguém gosta e deve-se dizer abertamente ou para bom entendendor meia palavra basta.

Eli disse...

em_segredo

De facto, uns laços são mais fortes do que outros e as relações não podem ser iguais, porque as pessoas não o são assim como as suas personalidades. Eu não gosto é de perder aquilo que já sentia. Ou seja, se tenho um amigo com quem dantes ia ao cinema, por exemplo, penso que não há necessidade de perder esse tipo de coisa... quem diz isso, diz outras coisas.

Não gostava de ser convidada sem ser desejada. Só não gosto de selecções entre amigos que têm relações estreitas, só porque não calhou, mas se calhar esses não são Amigos.

No entanto, não estou a sofrer esse tipo de coisa, se bem que já passei por uma ou outra situação que me fez pensar isso. Foi apenas uma reflexão sobe o que vejo e não gosto de deixar passar.

Enfim... nada que se aprenda por aqui! (lol)

Ainda bem que lês, comentas e partilhas a tua opinião. Fazes-me pensar também!

:)

Eli disse...

Fatucha

Era até amiga dos dois, mas não vou falar aqui em casos específicos, pois esta reflexão é mais generalista do que específica!

:)

Eli disse...

Olga

É mesmo uma chamada de atenção para a sinceridade que é feita aqui... se bem que nem sei até que ponto as pessoas (eu incluída) não fazem isso sem intenção!

:)

Daniel Silva (Lobinho) disse...

Olá de novo

Também eu nao me referia a encontros de desconhecidos. "Um grupo de pessoas que se passe a encontrar regularmente sem que para isso abra o leque a quaisquer outros (obviamente dos seus relacionamentos directos ou indirectos)". Como refiro, "obviamente dos seus relacionamentos directos ou indirectos". Eu explico ainda melhor: um grupo que se encontra com regularidade (vamos supor os tais casais) sem que para isso abra o seu leque a quaisquer outros dos seus relacionamentos directos ou indirectos (seriam pesoas chegadas, como é o teu caso na parte do *directos* ou indirectos como por ex. amigos de amigos que comparecessem no encontro.

Sim, ja tinhas discorrido sobre ele, mas foi apenas uma constação minha com, quem te lembra que talvez por vezes seja bom redifinir o conceito efectivo de amigos... e nao meros conhecidos que depois na pratica quotidiana te levam a estes desabafos.

:)