Agora nem nómada, nem emigrante.


terça-feira, outubro 26, 2010

Naufrágios

Imagem de Eli


Ainda que o turbilhão já tivesse passado
Atiro-me ao Oceano em pensamentos
Perguntando por mim

Terei apenas sussurado?
Por isso, não passam os tormentos
Arrisco mais uma noite assim...

"Aqui estou eu", pronta para amar
E não me vale de nada a sabedoria aplicada
Enquanto, em cada invetida, naufragar.

Eli

7 comentários:

mixtu disse...

pronta para amar
e nunca naufragar :)
abrazo serrano

EROS disse...

Hoje, especialmente, soube-me bem passar aqui e deixar um beijinho... adoro ler-te!

Com amizade,

Eros.

Celisol disse...

E o que é um náufrago se não um sobrevivente!?

Anónimo disse...

A tua escrita é bastante fluída... relata com sensibilidade pequenas ou grandes coisas que sentimos e que parece nunca termos descoberto, que podiam ser colocadas por palavras no papel! Gostei. Não pares!

Anónimo disse...

Talvez encontres o oxigénio e o porto seguro que esperas encontrar, logo no seguimento de uma dessas viagens que, devido a ventos e marés adversos, acabam por fazer de ti uma nómada náufraga .
:))

em_segredo

ana disse...

:) :* Plim!***

Fragmentos Culturais disse...

... tens um poetar muito sensível! Já te havia dito :)

Bom f-semana!